sábado, 21 de novembro de 2009

Inclusão na Escola




Matheus Santana da Silva, 14 anos, autista, estuda numa turma regular de escola pública em São Paulo desde a 1ª série. A história dele é a prova de que, apesar das dificuldades, incluir crianças com necessidades especiais beneficia a todos

O novo papel da Educação Especial

A nova política nacional para a Educação Especial é taxativa: todas as crianças e jovens com necessidades especiais devem estudar na escola regular. Desaparecem, portanto, as escolas e classes segregadas. O atendimento especializado continua existindo apenas no turno oposto. É o que define o Decreto 6.571, de setembro de 2008. O prazo para que todos os municípios se ajustem às novas regras vai até o fim de 2010.

O texto não acaba com as instituições especializadas no ensino dos que têm deficiência. Em lugar de substituir, elas passam a auxiliar a escola regular, firmando parcerias para oferecer atendimento especializado no contraturno.

Na prática, muda radicalmente a função do docente dessa área. Antes especialista em uma deficiência, ele agora precisa ter uma formação mais ampla. “Ele deve elaborar um plano educacional especializado para cada estudante, com o objetivo de diminuir as barreiras específicas de todos eles”, diz Maria Teresa Eglér Mantoan, professora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e uma das pioneiras nos estudos sobre inclusão no Brasil.

Ensinar os conteúdos das disciplinas passa a ser tarefa do ensino regular, e o profissional da Educação Especial fica na sala de recursos para dar apoio com estratégias e recursos que facilitem a aprendizagem. É ele quem se certifica, ainda, de que os recursos que preparou estão sendo usados corretamente. “Ele informa a escola sobre os materiais a serem adquiridos e busca parcerias externas para concretizar seu trabalho”, afirma Maria Teresa.

A princípio, esse educador não precisa saber tudo sobre todas as deficiências. Vai se atualizar e aprender conforme o caso. Ele pode atuar na sala comum de longe, observando se o material está sendo corretamente usado, ou estender os recursos para toda a turma, ensinando a língua brasileira de sinais (Libras), por exemplo. Quem souber se adaptar não correrá o risco de perder espaço. “O profissional maleável é bem-vindo”, garante Maria Teresa.

O momento atual é de construção. De fato, a inclusão na sala de aula está sendo aprendida no dia a dia, com a experiência de cada professor. “Mas não existe formação dissociada da prática. Estamos aprendendo ao fazer”, avalia Cláudia Pereira Dutra, secretária de Educação Especial do Ministério da Educação (MEC).

Lendo esta matéria na Revista Nova Escola, achei muito interessante. Visite ao lado na página da Revista e saiba mais. Vale a pena conferir!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Oiiiieee!!!

10 Motivos para você fazer um Curso 24 Horas. Visite e saiba mais...

1- Rápido e Prático 2 - Valores acessíveis 3 - Flexibilidade 4 - Não necessita se locomover 5 - Banco de Currículos 6 - Certificado válido em todo país 7 - Empresa mantenedora ABED 8 - Funcionários treinados 9 - Seu currículo fica atualizado 10 - Professores altamente qualificados
Cursos Online com Certificado
Cursos 24 Horas - Cursos Online a partir de R$ 20

Minha Turminha - 3ª Fase - 1º Ciclo - Trabalhando no Projeto "Animais em Extinção"

Minha Turminha - 3ª Fase - 1º Ciclo - Trabalhando no Projeto "Animais em Extinção"

Alimente a Pit, clicando na ração.

LinkWithin

Bornes relacionados com Miniaturas